BRT Belém será controlado pela Prefeitura por fibra ótica subterrânea

As fibras óticas foram instaladas pela Cinbesa desde o terminal Mangueirão, passando por toda a via do BRT, até a sede da Cinbesa, que é o ponto central.

Além da rede de fibra ótica do BRT, as empresas de telefonia também utilizarão o cabeamento subterrâneo para fazer o atendimento à população.

Calçamento, ciclovias, faixas de pedestre e nova sinalização são alguns dos benefícios que as obras do Sistema Bus Rapid Transit Belém (BRT Belém), na nova rodovia Augusto Montenegro, já trouxeram para a população. Outra novidade que a obra proporcionou foi o cabeamento subterrâneo que vai permitir, entre os outros benefícios, a passagem da fibra ótica que vai garantir o funcionamento do BRT. “É melhor. Não vão ficar esses fios horrorosos aí no poste e não vai ter acidente nenhum”, brinca Ângela Oliveira, moradora de uma área no entorno da nova Augusto Montenegro.

O BRT Belém entrará em funcionamento ainda no mês de junho e toda a operação dos ônibus articulados e suas estações serão controladas por meio da fibra ótica. Essas fibras são instaladas pela Companhia de Tecnologia da Informação de Belém (Cinbesa) desde o terminal Mangueirão, passando por toda a via do BRT, até a sede da Companhia, que é o ponto central. Essas fibras irão garantir a captura de imagens de mais de 70 câmeras posicionadas na via e nas estações, além de controlar o abrir e fechar de portas, a liberação de catracas e os monitores que informam chegada e saída dos veículos.

Essa tecnologia permite que a velocidade das imagens seja feita em gigabytes, o que garante uma excelente resolução e acompanhamento em tempo real, sem delay, que são atrasos em transmissões eletrônicas. “O ônibus tem câmeras, GPS, controle de portas e comunicação do motorista com a central. Então todo controle operacional, localização e comunicação desse ônibus depende da fibra”, explica o presidente da Cinbesa, José Regis Júnior. No caso de ocorrer algum problema nos veículos ou na via, a Central de Controle Operacional do BRT (CCO), que fica no Terminal Mangueirão, com essas imagens em tempo real poderá reprogramar as linhas do BRT e assim evitar acidentes.

É a CCO que vai controlar todo o funcionamento do BRT. “Todo esse cabeamento do BRT vai chegar à CCO e tudo será subterrâneo. É a partir daí que a gente controla as imagens que chegam das câmeras, o semáforo, a bilhetagem, ou seja, tudo passa pela central”, destaca o engenheiro fiscal do Consórcio BRT Belém, Ademir Pereira. As imagens geradas na CCO serão distribuídas para a Guarda Municipal de Belém e para o Centro Integrado de Operações (Ciop), do governo estadual, para garantir a segurança ao longo do BRT. Quando necessárias, poderão ser solicitadas pelos órgãos de segurança por até 30 dias.

Cada estação do BRT terá oito câmeras, sendo quatro do lado de fora, que garantem a visualização e hora de chegada e saída dos ônibus de ambos os lados da vida, e mais quatro na parte interna, o que vai controlar a movimentação de passageiros. Essas estações terão monitores internos que informarão os horários, as rotas e o tempo de espera de cada veículo, além de wi-fi grátis, liberado para os usuários. Todo o funcionamento será possível devido à conexão com as fibras óticas. Com essa conexão, a CCO terá dados diários ou mensais atualizados sobre o fluxo de passageiros e assim poderá fazer um planejamento que garanta atendimento de qualidade à população.

Para evitar problemas em caso de falhas no sistema, as fibras óticas do BRT Belém são instaladas com o sistema de redundância. A redundância na tecnologia da informação é a capacidade de um sistema de superar uma falha de um de seus componentes. Ou seja, se houver falhas, um segundo dispositivo estará disponível para uso. No caso do BRT, caso haja falha em algum sistema, as informações serão repassadas por outro caminho, o que não prejudica o funcionamento dos ônibus e suas estações.

Ronaldo Silva, morador do bairro da Marambaia, aprovou a novidade e foi categórico, afirmando que “para Belém é uma coisa inovadora e vai ficar um negócio bom. Está tendo transtorno, mas em toda melhoria acontece isso. Vai valer a pena!”, disse.

 

Quinze ônibus com capacidade para 150 passageiros

 

O BRT Belém entrará em funcionamento no mês de junho. Serão 15 ônibus articulados, cada um com capacidade para 150 passageiros, o equivalente a três ônibus comuns. A primeira parte do funcionamento compreenderá o trecho entre o Terminal Mangueirão e São Brás, no entorno da praça da Leitura. O tempo aproximado de viagem entre os dois pontos é de 20 minutos.

Outras informações sobre o BRT Belém podem ser obtidas no endereço eletrônico do projeto: http://www.agenciabelem.com.br/brtbelem.

Texto: Igor Pereira
Foto: Alessandra Serrão – NID/Comus / João Gomes – NID Comus / Nenhum
Coordenadoria de Comunicação Social (COMUS)